DUO INSTRUMENTAL

22 maio, 2018
Formado por Giliade Lima na guitarra e Gilson Oliveira no violão de 7 cordas, o DUO Instrumental apresenta seu CD de estreia - Bons Momentos, com produção e arranjos próprios.
Com forte presença no sul fluminense, o DUO vem ganhando espaço e reconhecimento no eixo Rio-São Paulo, gravaram na série Instrumental Sesc Brasil e tem sempre ao lado convidados muito especiais em uma lista imensa de nomes de grande importância no cenário musical brasileiro que inclui Arismar do Espirito Santo, Wagner Tiso, Leny Andrade, Jacques Morelembaum, Robertinho Silva, Nivaldo Ornelas, Mauro Senise, Carlos Malta, Nelson Faria, Michel Leme, entre tantos outros.


O repertório do disco traz 10 composições, cinco delas autorais e cinco de compositores e amigos que tanto influenciaram a carreira musical do DUO como Toninho Horta em "Beijo Partido", Arismar do Espírito Santo em "Vestido Longo", Nelson Faria em "Saudade do Rio", Michel Leme em "Chá Chá Michel" e Adriano Giffoni em e "Natureza". Gilson Oliveira assina 3 composições - "Pra Dominguinhos", "Sentimento verdadeiro" e "Déia"; Giliade Lima assina "Sara"; e ambos assinam o tema título.

"Bons Momentos" tem a produção de Giliade Lime e Gilson Oliveira e foi gravado em fevereiro de 2017 no estúdio Casa Laranja Produções, em Penedo, sul do RJ, com mixagem e masterização por Gustavo Holanda.
Foto da capa é de Marco Aurélio Olimpio.

Aqui, um papo com o DUO -

Fale sobre a formação do DUO Instrumental.
Esse encontro musical surgiu da necessidade que tínhamos, e ainda temos, de estudar alguns temas. O Gilson integrava um quarteto com foco em música brasileira, o Quarteto Bem Brasil, que se apresentava no circuito musical do sul fluminense; e eu, Giliade, integrava um trio que tinha uma onda mais jazz, o PriimaTrio, interpretando standards. Com o trabalho de produção dos shows aqui pela região, muita gente vinha tocar por aqui e conhecemos bastante gente também; nessas produções o PriimaTrio fazia a abertura. Coincidentemente, o guitarrista Vitor Karyello tocava frequentemente num shopping local e certa vez indicou a mim, Giliade, para fazer a gig, que era uma programação intensa desde às 11 da manhã até o meio da tarde. Foi nessa de tocar em duo começamos a tocar juntos e esse formato durou quase 2 anos. Acabamos frequentando um curso de Harmonia no interior de São Paulo com o professor Luciano Bittencount, íamos juntos e criamos essa relação musical.
O resultado disso tudo criou o DUO Instrumental.

Um encontro de timbres com o violão de 7 cordas e guitarra. 
Como vocês trabalham os arranjos?
Os arranjos acontecem de forma bem natural, um de nós escolhe uma determinada música que iremos inserir no repertório e a partir daí o estudo começa. No inicio apenas a guitarra executava o tema, hoje em dia sentimos necessidade de mesclarmos. Gilson sempre foi "o cara da harmonia", eu, Giliade, carregava desde a minha formação de trio a frente de fazer os temas. Hoje nós dois improvisamos, não seguimos muito uma regra, a musica é livre e tentamos executar da melhor forma possível colocando nossa particularidade.
improviso é uma grande expressão do nosso trabalho e da nossa música.

O DUO sempre traz convidados especiais para dividir o palco, o que promove uma grande diversidade no repertório. Conta um pouco sobre esse projeto.
Tem sido um enorme prazer receber todos os músicos que aceitaram nosso convite e é um aprendizado incrível pela tamanha generosidade de cada convidado. O repertório é selecionado através de músicas que conhecemos em comum, em sua maioria música brasileira. Amamos nossa musica, que, sem dúvida, é a melhor do mundo.   
Essa história começou com um projeto que fizemos em 2012 no SESC Teresópolis e tivemos como convidado o Robertinho Silva para uma série de shows em homenagem Clube da Esquina, um projeto que se entendeu para várias unidades do SESC São Paulo que, inclusive, gravamos um programa.
Em 2014 iniciou o Projeto Instrumental Convida e o primeiro convidado foi o Arismar do Espírito Santo, daí surgiu esse movimento de trazer outros músicos e temos um orgulho imenso de compartilhar o palco com todos eles. O mais legal é que é sempre na base do improviso, fazemos a música na hora, o que torna tudo muito autentico.

Giliade Lima e Gilson Oliveira
Como deu-se o processo de gravação do disco?
A gravação acorreu em três dias, no estúdio da Casa Laranja Produções, em Penedo, do nosso grande amigo Gustavo Holanda. Gravamos tudo ao vivo dividindo a mesma sala, tentando reproduzir o mesmo clima de um show ao vivo. É claro que em uma gravação, pelo menos no nosso caso, é normal ficarmos um pouco tenso, afinal é o primeiro trabalho, tem essas coisas, mas com o passar das horas automaticamente fomos ficando mais tranquilos e a música fluiu da melhor forma possível.
É claro que, como músicos e críticos que somos, sempre esperamos algo mais de nós mesmos. O Gustavo Holanda foi super profissional, fez a mixagem, a master e até a arte da capa que, por sinal, ficou linda.

É desafiador fazer música instrumental?
O maior desafio é o próprio músico acreditar que é possível, que é capaz, sempre vai existir musica boa e musica ruim, instrumental ou não. O que devemos é acreditar no fazemos e expressarmos nossa verdade na nossa música. Nós buscamos meios que fomentar a boa música e encaramos isso de uma forma muito particular, nós vamos que bater na porta e pedir pra tocar e assim temos encontrado bastante espaço, não só instrumental mas de musica brasileira também, e isso nos dá a oportunidade de estar ao lado de cantoras maravilhosas como a Sanny Alves, pouco divulgada na mídia tradicional, mas de um talento gigante.

Obrigado DUO Instrumental, e sucesso.

Você pode ouvir o disco "Bons Momentos" na plataforma digital Spotify; e adquirir o CD pelo site www.duoinstrumental.com.br e pelo email contato@duoinstrumental.com.br