VAI DEIXAR SAUDADE, NANA VASCONCELOS

09 março, 2016


A percussão brasileira sempre foi muito bem representada na música contemporânea pelas mãos de Nana Vasconcelos, que morreu nesta data, aos 72 anos, vítima de um câncer no pulmão.
Sem a menor dúvida a assinatura de Nana influenciou novas gerações de instrumentistas. Sua genialidade sempre se fez presente, dando seu talento e criatividade em diversos trabalhos ao lado de artistas grandiosos como Pat Metheny, Egberto Gismonti, Don Cherry e Jan Garbarek, entre tantos outros. Um músico sempre tão original e empolgante, o que o levou a estar, por diversas vezes, na lista dos melhores percussionistas do mundo pela revista Downbeat.

Pernambucano, iniciou na música nas bandas de maracatu, e ganhou o mundo.
Eu conheci sua música no fantástico “Dança Das Cabeças” (1977), registro gravado com Egberto Gismonti durante três dias em estúdio e que tornou-se a porta de entrada de Gismonti na gravadora ECM. Naná se projetou e colocou o berimbau definitivamente na rota da música moderna; ainda com Gismonti gravou “Sol do Meio Dia” (1978) e “Duas Vozes” (1984). No final dos anos 70, integrou um dos grupos mais experimentais do jazz contemporâneo, Codona, ao lado do trompetista Don Cherry e do citarista Collin Walcott, era uma música livre de formas e cujo trabalho rendeu 3 álbuns – “Codona 1” (1979), “Codona 2” (1981) e “Codona 3” (1983), também lançados pela ECM.

Minha conexão com a música de Nana se fortaleceu no trabalho ao lado do guitarrista Pat Metheny, em que destaco a intensidade de sua interpretação no tema “The Fields, The Sky”, inserido no álbum “Travels” (1982), gravado ao vivo, um intenso registro improvisado de berimbau e guitarra em um diálogo realmente impressionante. Naquele momento de audição, definitivamente, já o tive como uma referência. Nana é uma usina sonora, um mestre na arte da vocalização percussiva e que encontrou na música de Metheny um verdadeiro oásis para essa expressão, melódica e rítmica, como se ouve também nos extraordinários álbuns “As Falls Wichita, So Falls Wichita Falls” (1981) e Offramp (1982), todos também gravados pela ECM.

Juvenal de Holanda Vasconcelos nasceu em Recife em 2 de agosto de 1944.
Nana Vasconcelos deixa uma extensa discografia, cuja música foi, é, e sempre será genial.

Nana Vasconcelos: 1944-2016