CONEXÃO NEW YORK: FREDRIK KRONKVIST

18 outubro, 2014
Para o saxofonista sueco Fredrik Kronkvist, o sonho era ir para NY tocar com os melhores músicos do planeta.

Ele cresceu em uma pequena cidade na Suécia. Seu pai, Rolf  Kometen Kronkvist, também músico, teve o privilégio de tocar com Dexter Gordon, Kenny Dorham e Sonny Stitt quando estes visitaram seu país. E foi a vasta coleção de discos do pai que deu a Fredrik uma fonte infinita de inspiração, uma oportunidade de explorar os muitos lados do Jazz.
Ainda adolescente, colocava os discos de Miles Davis e Horace Silver no prato, e ficava extasiado com a energia e swing que essas gravações passavam.
Hoje, ainda mantém a curiosidade e o entusiasmo daquelas gravações, e está sempre com a mente aberta para receber novos elementos e o lado emocional de todo tipo de música.

Blues, Soul, Swing, Afro, Funk e Música Brasileira estão entre as influências que Fredrick Kronvist carrega em sua música. Seus últimos álbuns são realmente contagiantes, ele já figura como mais um novo gigante do instrumento, com reconhecimento pelos mais importantes veículos de mídia do Jazz, entre eles a Downbeat e Jazztimes. Um músico extraordinário e que elegeu a capital musical do Jazz no planeta como residência.

New York Elements (2010, Conective Rec) foi sua primeira sessão de gravação na big apple, e teve ao lado o piano de Aaron Goldberg, o contrabaixo de Reuben Rodgers e a bateria de Gregory Hutchinson. E essa estréia em estúdios americanos não podia ser melhor, um time realmente da pesada e um sonho realizado. São 13 composições, 12 autoriais, exceto "Footprints" (Shorter). O album ganhou destaque nas revistas especializadas como Downbeat e Jazztimes.
Brooklin Playground (2012, Connective Rec) trouxe de volta seus companheiros Martin Sjostedt  no piano, Petter Eldh no contrabaixo e Snorre no Kirk bateria, com quem já tinha gravado. Aqui resgata clássicos em interpretações ousadas como em "Caravan" (Ellington) e "One Finger Snap" (Hancock). Mais um excelente trabalho.
Reflecting Time (2014, Connective Rec) resgata novamente o quarteto com Goldberg, Rogers e Hutchinson e, não menos contagiante, pontua improvisos criativos em 7 composições, entre Blues, mainstream e baladas, e  mais um clássico na brilhante interpretação de "In a Sentimental Mood" (Ellington).

Completam a discografia - Fredrik Kronkvist Sextet (2011), Constant Continuum (2010), Ignition (2007), In the Raw Trio (2006), Maintain! (2005) e Altitude (2003).


fredrikkronkvist.wordpress.com/