O TROMPETISTA FLAVIO BOLTRO

22 setembro, 2013
Flavio Boltro
Em destaque, o trompetista italiano Flavio Boltro.
Sopro vibrante, enérgico, na melhor escola do bop. Teve na figura paterna um trompetista e um fã de Jazz, e aprendeu a amar a música desde cedo iniciando o estudo do trompete aos 9 anos. Nos anos 80, foi integrante da Turin’s Symphonic Orchestra e da RAI Symphonic Orchestra, e teve sua iniciação no Jazz em gigs ao lado de Steve Grossman, Cedar Walton, Billy Higgins e David Williams. Em 1986 foi premiado como melhor músico de Jazz pela revista italiana Musica Jazz. Em 1987, participou de uma homenagem ao selo Blue Note no album intitulado Into the Blue, lançado somente na Itália, em uma reverência ao Blues, com uma abordagem moderna. Neste album participaram Michele Bozza tenor, Piero Bassini piano, Riccardo Fioravanti contrabaixo e Giampiero Prina bateria.
Gravou seu primeiro album em 1992, Flabula, na formação de quarteto ao lado de Massimo Farao piano, Aldo Zunino contrabaixo e Giulio Capiozzo bateria. Ainda nos anos 90, participou junto com o saxofonista Stefano Di Battista na Orchestre Nationnal de Jazz, liderada pelo pianista frances Laurent Cugny, com a qual gravaram três albuns; e ambos participaram do sexteto do pianista Michel Petruccianni.
Em 98, arregalou os olhos de Wynton Marsalis, que afirmou ser um dos melhores trompetistas de Jazz.

Boltro lançou três álbuns como líder pela Blue Note - Road Runner (1999), 40 degrés (2003) e Milestones, un Encontro in Jazz (2007). Nessa época, também liderou um quinteto intitulado Sidewinder, em tributo a Lee Morgan.

JoyfulEm Joyful (2012) conta com um novo quinteto formado por Rosario Giuliani sax, Pietro Lussu piano, Darryl Hall contrabaixo, André Ceccarelli bateria e traz a participação vocal de Alex Ligertwood, que marcou a voz no grupo do Santana.
No repertório, Boltro assina 5 das 9 composições, e traz versões muito próprias de alguns clássicos - "Over the Rainbow" (Arlen), em um belíssimo duo entre trompete e contrabaixo; resgata os Jazz Messengers e Horace Silver em "The Preacher"; traz o espírito dos 60 com "Sidewinder" de Lee Morgan, aqui pontuada na voz de Ligerwood; e revive a popular "Every Breath You Take" do The Police, que conta também com os vocais de Ligerwood.
Ainda destaque para um contagiante diálogo entre Boltro e Ceccarelli na introdução de "Black Jack" e a rítmica funk e balançada de "See You Tomorrow" marcada pela voz de Ligerwood.