OS RAPAZES DO TRIO

17 julho, 2013
RdT

"Não há distância entre músicas. Não há barreiras. Não há, tampouco, regras. Há apenas limitações estéticas. Quando a vencemos tornamos a música universal, única."

Esta é a mensagem do grupo RdT, os Rapazes do Trio, formado por Walter Nery guitarra, Guto Brambilla contrabaixo e Fernando Baggio bateria, sobre o novo trabalho intitulado Elo.
O nome do disco parece sugestivo - um elemento de ligação, uma junção de formas, conteúdos e sons.

O grupo nasceu no Conservatório Souza Lima, escola de música de São Paulo, onde os integrantes são professores, e foi como um encontro de músicos que tinham como único objetivo fazer música, simplesmente tocar. Juntos desde 2004, "Elo" é o terceito disco do grupo, que faz um trabalho autoral e cheio de influências e, como o próprio grupo afirma - é a música em uma linguagem sem barreiras, com quebras de vários conceitos e aceitação de todos os estilos, incorporando a feição niilista da música instrumental, uma visão de fusão moderna.

Neste trabalho, um convidado mais que especial, o guitarrista americano Mike Moreno, um dos grandes músicos desta nova geração criada na "big apple". Mike tem forte aproximação com a música brasileira e, para se ter uma ideia, em seu disco "First in Mind" (2011, Criss Cross) interpretou de forma belíssima Nelson Cavaquinho (A Flor e o Espinho) e Milton Nascimento (Milagre dos Peixes).

"Elo" abre com "Sarayu", um contagiante tema em que se apresenta a textura do jazz contemporâneo e as boas-vindas com o belo solo de Mile Moreno na primeira parte do tema, expressando sua assinatura com uma digitação precisa e empolgante. Um tema cuja melodia fica enraizada na cabeça.
"Incidental" dá a impressão de uma citação meio bossa na melodia introdutória, e Nery esclarece que a introdução foi baseada em um elemento melódico que se desloca sobre a escala diminuta. No entanto, o tema se transforma em andamento acelerado marcado pelo contrabaixo de Guto Brambilla e a bateria de Fernando Baggio em que destacam-se os solos de Mike e Nery.
A bela balada "Liv" foi composta por Baggio para sua filha, um melódico tema conduzido na base pelo acústico de Nery e espaço para os improvisos de Brambilla e Mike.
"Sky" é uma suite em três movimentos, inspirada na música húngara. O contrabaixista Brambilla pesquisou profundamente compositores húngaros contemporâneos como Mihaly Dresh e Bela Szakcsi Lakatos para compor o tema, e no primeiro movimento, "Fantasy Moon", coloca o contrabaixo em destaque em improviso livre, envolvente, denso e um tanto experimental em cerca de 7 minutos solo fazendo pontuações com o arco e uso de efeitos; a suite segue com "Green Stars" e "Dawn Alone", desenhadas pela digitação da guitarra de Nery e conduzida em pulsação intensa pela bateria de Baggio.
"Délicatesse" traz novamente o contrabaixo em destaque com o uso do arco, e Baggio esclarece que o tema foi inicialmente criado no piano e tornou-se um desafio trazê-lo para o trio, destacando novamente o improviso de Nery, excelente guitarrista. Aqui,  percebe-se claramente a forte interação do grupo durante a execução do tema.
Mike Moreno assina "Mirror Mirror" e introduz o tema solo, e mais uma vez sobra espaço para o improviso de Brambilla. "Rabbit Experiment" fecha o disco e distingue-se o timbre das guitarras em que Nery faz leve uso de drive dando uma textura mais fusion em seu improviso.

Walter Nery, Guto Brambilla, Fernando Baggio, Mike Moreno

Um discão.
O guitarrista Chico Pinheiro chama a atenção para essa parceria do grupo com Mike Moreno, disse ele - "A incrível cumplicidade do Trio com o guitarrista texano é notada desde o início,  como se já tocassem juntos há muito tempo, e essa intensa interatividade musical permeia o disco todo, tornando-se um elemento muito especial em Elo."

Assista o tema Sarayu -



Leia também as palavras de Fernando Baggio sobre o baterista Brian Blade -

Brian Blade, por Fernando Baggio