JOSHUA REDMAN E ORQUESTRA RUMPILEZZ EM TURNÊ NO BRASIL

20 agosto, 2012
Joshua Redman está no Brasil para uma série de shows com a Orkestra Rumpilezz, de Letieres Leite.
Privilégio de baianos, mineiros e paulistas, que terão oportunidade de assistir esse espetáculo entre os dias 22 e 28 de agosto.

Bahia
     22 de agosto, Teatro Castro Alves
     23 de agosto, Cachoeira no Recôncavo Jazz Festival
São Paulo
     25 e 26 de agosto, SESC Pompeia
Belo Horizonte
     28 de agosto, Praça da Liberdade no evento Festival da Música














Em uma breve entrevista para o jornalista Ronaldo Evangelista, da Folha de SP, Joshua Redman contou um pouco sobre essa experiência, para ele única.

Como tem sido conhecer o som da Rumpilezz?
A experiência tem sido muito inspiradora. Encontrei o Letieres e ele me levou a um terreiro, do qual fazem parte alguns dos percussionistas da Rumpilezz. Fomos num quarto na parte de cima onde ficam os instrumentos de percussão e todos vieram e tocaram.
Fiquei imerso, no meio de um batuque muito poderoso. Foi divertido, tocante e inspirador.

A formação musical sem piano ou contrabaixo deve ser uma novidade para você.
É muito único ter uma banda onde todos os elementos harmônicos vem dos sopros. E é fantástico para mim perceber o quanto tão plenamente realizado isso é, você ouve as harmonias bem claramente. Letieres tem um conceito maravilhoso e totalmente formado para essa banda. Ele obviamente pensou na forma e trabalhou em todos os detalhes, é uma estética realmente completa.
Um mundo musical único, que Letieres criou dessa tradição musical muito, muito profunda, poderosa e complexa que vem da Bahia, com os ritmos colocados em um vocabulário harmônico mais moderno, que vem do jazz e da música clássica.

A relação da Rumpilezz com a música africana é forte. Você tinha alguma experiência nesse sentido?
É totalmente novo para mim. O mais próximo da música africana que já cheguei. Quando eu era novo, minha mãe me levou a apresentações de música e dança africana, então talvez lá no fundo eu tenha isso em mim. Mas, de fato, nunca tive uma experiência como essa antes. É tudo muito estimulante e gratificante e um território ainda pouco familiar pra mim, a ser descoberto.