JOE BONAMASSA MOSTRA QUE É O NÚMERO 1 NO VIVO RIO: TOUR 2012

01 junho, 2012

Pontualmente, às 21:30hs, Joe Bonamassa subiu ao palco do Vivo Rio para mostrar que, hoje, é o número 1 da guitarra, sobrando com folga.
Um show com uma pegada bem Rock, ao seu estilo, acompanhado pela sua super banda de apoio formada por Carmine Rojas baixo, Rick Melick hammond e Tal Bergman bateria, este que deu um show a parte.

É a primeira vez que Bonamassa veio ao Brasil e já prometeu voltar com o Black Country Communion, disse ele em entrevista para a Folha de SP. Acrescentou que, ao contrário de muitos guitarristas, não tem uma rotina de tocar em casa, gosta de tocar na noite e que que não sai de casa para ver outros shows, só para tocar. Ainda afirmou que os mais puristas do Blues o odeiam, que este público não comparece em seus shows e que é um público que acredita numa única forma de fazer as coisas.
Pois é, fazendo uma analogia, isso lembra o polêmico disco Bitches Brew do Miles, um disco com roupagem bem fusion e na época muito criticado e rotulado pelos críticos de jazz como pura heresia.
Joe Bonamassa é um guitarrista de rock, por essência, mas que tem pleno domínio e fluência na linguagem do Blues. Assim é, e é melhor que assim seja.
Bonamassa é um músico completo e conhece muito de música.

Antes de subir ao palco do Vivo Rio, e o que parece ser uma tradição em seus shows, o tema Two Minutes to Midnight do Iron Maiden soa na caixas a todo volume, preparando a plateia para a intensidade sonora que seguiria com sua apresentação.
Bona conduziu todo o show abraçado com uma Les Paul, revezando entre os modelos Gold, Custom e um modelo com alavanca Bigsby, suportados por 3 super amplificadores Marshall isolados por uma Plexiglass, placa de acrílico para minimizar o impacto do som da guitarra.
Foram duas horas de apresentação impecável.
Entre os temas, a abertura com Slow Train; a reverência a Gary Moore em Midnight Blues; Dust Bowl; Ballad of John Henry; a bela balada Sloe GinWho’s Been Talking; uma super sessão blues onde mostrou o domínio da linguagem numa nova roupagem de Look Over Yonders Wall e no clássico Blues De Luxe; e um duelo espetacular entre Bonamassa e Tal Bergman, com Bonamassa no canto do palco respondendo aos improvisos, caretas e encenações de Bergman e com direito até a uma citação de Stairway to Heaven (Zeppelin), esta que contagiou a platéia.
O show fechou apoteótico com Young Man Blues (Who), que antecipou o bis com o tema título do seu último album Driving Towards the Daylight e uma super jam com mais algumas citações, entre elas Zeppelin e Black Sabbath.