BUDDY GUY NO VIVO RIO : TOUR 2012

13 maio, 2012
Wait a minute! Wait a minute!

Aos 75 anos, Buddy Guy mostrou que ainda está em plena forma. E com o mesmo jeitão de quando o assisti nos anos 90 no extinto teatro do Hotel Nacional (ele já esteve aqui outras vezes depois).

Um Vivo Rio cheio para assistir a um dos ícones do Blues.

Na abertura, o fantástico Artur Menezes, que esquentou o ambiente apesar de iniciar antes do horário impresso nos ingressos.
Quem chegou mais cedo viu este garoto que representa a nova geração do Blues nacional.
E mostrou que sabe muito de guitarra e com uma forte presença de palco.
Abraçado com uma 335, interpretou em cerca de 40 minutos temas do seu primeiro disco, Early to Marry, alguns novos temas que farão parte do seu novo disco e mostrou a fusão do Blues com nossa música regional. Lógico que não faltaram clássicos como Messin´ with the Kid e o estonteante R&B de Solomon Burke Everybody Needs Somebody.

E veio Buddy Guy cheio de energia e bom humor. Ele realmente sabe conquistar a plateia e mostrou pleno domínio da Fender, que ele abraçou durante todo o show abrindo uma única exceção para uma synth guitar na interpretação de Skin Deep.
E abriu o show com um tema de 23 minutos no qual incorporou o clássico Hoochie Coochie Man (Dixon), dando também um super espaço para seu guitarrista base, Ric Hall. Seguiu com mais um clássico I Just Want To Make Love To You (Dixon) e ainda deu uma aulinha de Blues, reforçando o berço no Mississipi e fez referência a John Lee Hooker com o tema Boom Boom. Apresentou seu último album tocando 74 Years Young, contagiou o público que cantou junto Someone Else is Steppin' in, tocou uma extensa versão de Fever e fez algumas celebrações citando Sunshine of Your Love (Cream), Voodoo Chile (Hendrix) e Miss You (Stones).

Como tradição dos músicos de Chicago, partiu para a galera e circulou pelas mesas do Vivo Rio, mas o público parece que não entendeu e foi uma certa aglomeração meio sem sentido e uma invasão generalizada na parte frontal do palco, mas a segurança da casa dispersou rapidamente após seu retorno. Um pouco pior quando resolveu distribuir palhetas no final do show, o que realmente não deu certo, teve gente até querendo invadir o palco a qualquer custo. Enfim, sorte a minha que num desses vôos de palhetas caiu uma do meu lado e na maior tranquilidade a coloquei no bolso.

Cerca de 1h30 de apresentação, mas faltou alguma coisa.
Valeu por ser Buddy Guy !