OZ NOY : É JAZZ MAS NÃO SOA COMO

26 janeiro, 2012
"É jazz. Mas não soa como."
Assim é como o guitarrista Oz Noy descreve a sua mistura de jazz, funk, rock e blues.

Nasceu em Israel, e começou a tocar guitarra aos 13 anos tirando o som do jazz, do blues e do pop-rock. Aos 16 já figurava entre os artistas locais e logo tornou-se um dos mais requisitados músicos de estúdio, integrando uma banda local em um programa de TV no qual permaneceu por dois anos.

Residente em NY desde 1996, sua música causou impacto pela originalidade e pela forma que quebrava regras da guitarra na música instrumental com uma abordagem bem enérgica.
Teve ao seu lado no palco músicos como os bateristas Vinnie Colaiuta e Dave Weckl e os contrabaixistas Will Lee, James Genus e Reggie Washington, e foi sideman de vários outros músicos de expressão como Richard Bona, Jeff Watts, Allen Toussaint, entre outros.

Em suas composições há muitas citações, algumas próximas, o que torna algo muito curioso e chega a ser um verdadeiro exercício musical. É um declarado fã de Monk, sempre tem uma composição do mestre em seus discos.
Ha! (2004, Magna Carta Rec) foi seu primeiro lançamento e contou com as participações de Keith Carlock, Will Lee, James Genus e como convidado Mike Stern, que apresenta um belo improviso em Downside Up, bem ao seu estilo; foi um álbum muito bem recebido pela audiência, e Oz mostra sua vertente funk nos temas Say What e Hit Me, repousa na balada I Can´t Make You Love Me e um destaque para uma elétrica, quase psicodélica, versão de Blue Monk (Monk);
Oz Live (2005, Planula Records) é um registro ao vivo gravado no The Bitter End, NY; e traz Reggie Washington, James Genus, Keith Carlock e Anton Fig, e novamente apresenta forte abordagem funk-fusion, muito evidente nos temas Just Groove Me e Steroids, e um destaque para Cissy Strut (The Meters) e Misterioso (Monk);
Fuzzy (2007 Magnatude Rec) traz a bateria de Collaiuta, o baixo de Jimmy Johnson e os teclados de Jim Beard, e o disco abre forte com Which Way Is Up; traz ainda um registro bem ao estilo texano no tema título e em Intensity, e repousa na balada Sometimes It Snows in April; Monk aparece nos temas Evidence e numa versão muito particular em Epistrofunk;
Schizophrenic (2009, Magna Carta Rec) traz Will Lee, Keith Carlock, Dave Weckl, e a participação de Steve Lukather. Aqui encontramos uma impressão citada do riff de Beat It (Michael Jackson) aplicado no tema 120 Heart Beat, mas com pegada bem fusion; e destaque nas linhas bem funkeadas de Ice Pick e no tema título Schizophrenic; e uma contagiante Bug Out;

Twisted Blues Vol.1 (2011, Abstract Logix) traz vários convidados com a base de Collaiuta e Will Lee, entre eles Roscoe Beck, John Medeski, Ralph Macdonald, Eric Johnson e Allen Toussaint.
Manteve a mesma fórmula com a fusão de vários elementos, em destaque o blues texano em Whole Tone Blues e o tema título com muito recheio de efeitos. É um disco autoral com exceção de Cissy Strut (Meters), que ele já tinha gravado em Oz Live!, aqui com a identidade de Medeski no Hammond; e Monk em Trinkle Tinkle em uma elétrica versão.

Oz Noy é um guitarrista virtuoso, mas sem exibicionismo, e sua fusão de estilos é muito bem aplicada criando uma identidade musical própria. Um fã das guitarras Fender, em que ilustram seu rack - Fender '56 Custom Shop Relic Strat Black,  Fender '68 Custom Shop Relic Strat Sunburst,  Fender '68 Custom Shop Relic Strat Red, Fender '58 Custom Shop Relic Tele Sunburst.

O Guitar Player Magazine Readers Poll premiou Oz Noy em 2007 como Best Guitar Riff on a Record e em 2008 como Best New Talent.


oznoy.com