BLACK COUNTRY COMMUNION : UM GRUPO DE CAMARADAS, UMA COMUNHÃO DE ALMAS

04 janeiro, 2012
"Há quatro forças elementares no universo e elas não poderiam estar juntas por acidente", assim definiu Kevin Shirley, produtor do Black Country Communion, grupo que hoje é um exemplo de como se fazer o melhor hard rock.

Quem diria que eu voltaria a ouvir com entusiasmo o som que fez a minha cabeça na adolescência, e o culpado desta virada de mesa é Joe Bonamassa, o guitarrista mais completo do blues-rock da atualidade que compõem a formação do Black Country Communion ao lado do baixo de Glenn Hughes, a bateria de Jason Bonham e os teclados de Derek Sherinian. É a soma da melhor guitarra com um Purple de verdade, o filho de um Zeppelin e um tecladista da vanguarda do rock membro do Dream Theather e o resultado não podia ser diferente - o melhor, disparado, registro do hard rock dos últimos tempos.

Black Country é a denominação de um área limítrofe em West Midlands, Inglaterra, e foi uma região predominante na epoca da revolução industrial no século 19 e onde nasceram Glenn Hughes e Jason Bonham, daí surgiu o nome da banda. E do encontro de Hughes e Bonamassa selou-se uma forte amizade em encontros que se realizaram por diversas vezes no estúdio de Hughes para simplesmente fazerem jams e trocar idéias, o que acabou transformando-se neste super grupo. Hughes ainda conta que conheceu Derek Sherinian aqui no Brasil, em São Paulo, quando ambos os grupos tocaram no Monsters of Rock no final dos anos 90.

Live Over Europe consolida em DVD a turnê realizada no verão de 2011 pela Europa, fruto do trabalho dos dois albuns da banda - Black Country Communion e Black Country Communion 2. Em dois discos, o disco 1 com a apresentação em vários palcos da Europa e o disco 2 com os bastidores, entrevistas e fotos do grupo ao longo da turnê. Um registro obrigatório!
É evidente a liderança de Glenn Hughes, que assume os vocais em quase todos os temas. Bonamassa toma a frente dos vocais em The Battle, abraçado a sua guitarra Music Man Custom de dois braços em 6 e 12 cordas, e The Ballad of John Henry, tema título de seu album de 2010 e aqui com uma pegada mais hard fazendo uso de efeitos e do slide acomodado pela cama dos teclados de Sherinian.


"Não queremos mudar o mundo, queremos nos divertir e trazer o rock´n´roll de volta", disse Glenn Hughes.


Bonamassa ainda divide os vocais em Song of Yesterday, outro ponto alto da apresentação onde realiza um espetacular solo. E nos conta - "... minha vida inteira sempre foi a guitarra".
Sem dúvida nenhuma, é "O" cara!
I Can See Your Spirit nos leva a uma viagem em uma onda bem Zeppelin e aqui o dono da festa é Bonham;  Sista Jane é outro tema de impacto com Bonamassa dividindo os vocais com Hughes com uma estonteante citação de Won´t Get Fooled Again do The Who, com destaque para os teclados de Sherinian. Alias, várias citações ao longo dos solos de Bonamassa. E para finalizar a apresentação um clássico dos clássicos - Burn, do Purple.