JOHN ZORN EM TRÊS MOVIMENTOS

26 novembro, 2011
Avant Garde : denominação genérica das formas livres das artes tida como modernas ou de vanguarda a partir dos anos 60. Pode-se considerar um sinônimo de free jazz e muitos músicos preferiam o título de avant garde ao free. (Mario Jorge Jacques, Glossário do Jazz).

Tzadisk é um selo dedicado ao melhor do avant garde e música experimental, onde nos apresenta uma comunidade de compositores e músicos contemporâneos que encontram dificuldade de lançar seus trabalhos pelos selos convencionais. Tzadik.com é o endereço virtual e um catálogo de primeira categoria e a certeza de que encontrará excelentes novidades.
O selo foi fundado em 1995 e tem na sua direção o nome de John Zorn.

Zorn é um músico de muitas formas, começou estudando guitarra e flauta e foi muito influenciado pela música clássica, mas seus estudos em composição na Webster College, St Louis, o expôs ao mundo musical do free jazz e a improvisação e foi ouvindo Anthony Braxton no disco For Alto (1968, Delmark), um disco de sax alto solo que tornou-se uma referência, o que o entusiasmou a tocar o instrumento. Sua mudança para Manhattan foi uma atração ao mundo dos improvisadores e músicos de jazz e começou a levar a sério a composição.

Apesar da sua extensa discografia, Zorn ainda é uma novidade pra mim. O conheci de fato em uma apresentação em video onde ele não se apresentava a frente de um instrumento, mas era o regente em pequenos grupos - Masada String Trio formado pelo cello de Erik Friedlander, o violino de Mark Feldman e a guitarra de Marc Ribot e o Bar Kohba Sextet que é o mesmo grupo complementado pelo contrabaixo de Greg Cohen, a percussão de Cyro Baptista e a bateria de Joey Baron.
Quase performático, Zorn sentado no chão e bem a vontade do lado do grupo com as pautas espalhadas e regendo os grupos a sua maneira. Tão moderno quanto excêntrico e um som sensacional.

Em foco aqui três movimentos –  In Search of the Miraculous (2010, Tzadisk), Goddess: Music for the Ancient of Days (2010, Tzadisk) e At the Gates of Paradise (2011, Tzadisk).
Em todos, Zorn assina as composições e a formação é semelhante, combos, seguindo a mesma linha musical com um abordagem bem contemporânea e com algumas sombras fusion, principalmente quando se apresenta a guitarra de Marc Ribot.
Destaque para o vibrafonista Kenny Wollesen, outra excelente novidade, e os pianistas Rob Burger e um John Medeski exclusivamente ao piano, bem diferente da onda eletrônica do MMW assim como no último disco do grupo ao vivo no Japão The Stone, Issue Four.

Na formação dos discos, em In Search of the Miraculous temos Rob Burger piano e orgão, Greg Cohen e Shanir Blumenkranz ao fender bass e double bass respectivamente, Kenny Wollesen vibraphone e Ben Perowsky bateria, contrabaixo;
em Goddess: Music for the Ancient of Days traz, além de Rob Burger, Ben Perowsky e Kenny Wollesen, traz Carol Emmanuel na harpa, Trevor Dunn no contrabaixo e Marc Ribot guitarra; em At the Gates of Paradise temos John Medeski piano and orgão, Kenny Wollesen vibraphone, Trevor Dunn contrabaixo e Joey Baron bateria.