CAFÉ, RITMO E BLUES

08 novembro, 2011
Narra a história que a raiz do Blues se originou do canto do trabalho escravo, primeiramente como uma forma de protesto às jornadas de trabalho  e cujas letras expressavam angústias, lamentos, dores de amor e traição e serviam como um meio de fuga de todos estes sentimentos. Historicamente é a forma musical de maior influência na musica ocidental que originou e se traduziu no jazz, no rhythm and blues, no rock e na soul music, uma influência e tanto que se enraíza e se apresenta em ritmo e sensualidade.
Não só nas plantações de algodão ao longo do Mississipi, o trabalho escravo aqui em nossas terras também existia nas colheitas de café no vale do Rio Paraíba entre os estados de São Paulo, Rio de Janeiro e Minas Gerais, e não se limitava à colheita, mas também nas atividades que se seguiam e que eram todas realizadas manualmente. Foi a expansão da lavoura cafeeira no século 19 que transformou o nosso sudeste na região mais importante do país.

O grupo Café R&B é de Los Angeles, formado em 1995 pela excelente cantora Roach e o guitarrista e marido Byl Carruthers. O som da banda mescla o Blues e o R&B, e rapidamente se tornou a sensação no cenário musical local.  A interpretação vocal de Roach chamou a atenção da crítica, que a comparou assim - “É a Etta James dirigindo uma Harley ao redor de um vulcão ativo, tão poderosa é a sua expressão vocal”.
Fica a cargo de Byl Carruthers o trabalho de compor o material original da banda, e é também um excelente guitarrista e profundo conhecedor da linguagem do Blues.

"É um chute no traseiro, nunca vi algo assim desde que me dou por gente.", disse Ike Turner.

E foi a partir de uma apresentação calorosa no Buddy Guy’s Legends que o grupo alavancou uma turnê por anos seguidos em grandes festivais de Blues da America, como o San Francisco Blues Fest, Fire on the Mountain Blues, Long Beach, Chicago e o Legendary Rhythm & Blues Cruise; e na Europa com lotação esgotada em clubs de Londres, Barcelona e Paris, e nos festivais Grolsch Blues Festival em Schoeppingen e o Jazz Festival em Cloppenburg na Alemanha.

Na discografia -  Black & White (1999, It Works Music), Blues and All the Rest (2005, It Works Music) e Very Live (2005, It Works Music), cuja fórmula em todos é composta por trabalho autoral e interpretações de clássicos como Born Under a Bad Sign (Albert King), Sitting on Top of the World (Chester Burnett), Smokestack Lightning (Wolf) e Killin Floor (Skip James), e um som ao mesmo tempo tão incendiário e explosivo quanto introspectivo e anestésico, mas sempre predominando a veia Blues, alguns momentos na fronteira do Soul e em outros na fronteira do Rock. O veneno destila com vontade nos slow blues quando realmente transborda emoção, melancolia e chega a soar sombrio, tudo expressado na forte energia da cantora Roach e na guitarra chorada e precisa de Byl. Café R&B tem ainda na formação Bobby Pickett no baixo, Harry Cohen e John JT Thomas nos teclados e Don Swanson na bateria.

caferandb.com/