HOT SPOT BLUES BAND EM ENTREVISTA

12 setembro, 2011
A Hot Spot Blues Band nos brinda com um blues-rock da melhor categoria, e comprova que as Minas Gerais ainda é (sempre foi) berço de muita música boa.
O trio é formado pelo guitarrista Gustavo Andrade,  o baixista Jonas Lima e o baterista Luiz Andrade, e o disco de estréia, intitulado Felling Alright, lançado pela Blues Time Records, já coloca a banda como uma das melhores no gênero no país e no exterior, com destaque da revista canadense Real Blues Magazine.
A energia do som da banda é tanta que expressou emoção em Mud Morganfield, no pianista Donny Nichilo, Bob Lohr e o nosso Joe Manfra, que não economizaram elogios, além de muita gente da mídia especializada que atribuiu excelentes críticas ao trabalho do grupo, impressionados com a fluência blues que a banda imprime no som.

Neste trabalho de estréia, o repertório é quase que um tributo aos gigantes em que, com muita originalidade, interpretam temas que fizeram a história do blues como "I´m ready", "Born under a bad sign", "Who´s been talking", "Use me", "I´ll play the blues for you" e a faixa titulo, imortalizadas na mãos de Willie Dixon, Albert King, Robert Cray, Bill Witters e Joe Cocker entre tantos outros.
Um disco obrigatório, da nossa terra, o nosso Blues. 



Gustavo Andrade conta um pouco da banda, do álbum e ainda nos deixa algumas dicas para audição.

Gustavo Cunha: Como surgiu a idéia do grupo?
Gustavo Andrade : Gustavo Andrade & Hot Spot Blues Band é uma banda de Belo Horizonte, Minas Gerais, formada no ano de 2000. Fazemos um blues com pitadas de soul, rock e jazz.
Nosso primeiro álbum, “Feeling Alright”, foi lançado pelo selo carioca Blues Time Records em 2008.
Minha família é bem musical, com isso tive uma ótima influencia desde muito cedo. Comecei com o violão aos 9 anos e depois fiz cursos de contrabaixo e canto, mas basicamente sou autodidata.

GC : Influências musicais sempre estão presentes, e o mito de que guitarristas não escutam só guitarristas é uma verdade. Se aplica a você?
GA : Gosto muito do som de guitarristas como Muddy Waters, Buddy Guy, Jimi Hendrix, Eric Clapton e Jeff Beck, mas gosto de pesquisar sons diferentes sempre. O pessoal da banda também escuta de tudo.

GC : Equipamentos sempre são um desafio para quem toca. Conte-nos um pouco sobre seus instrumentos.
GA : Em "Feeling Alright" usei guitarra semi-acústica e uma Telecaster, para o próximo já estou usando uma Les paul, PRS e Strato. Acho que experimentar é sempre muito válido e no próximo álbum tem bastante blues mas também já começo a misturar o meu som com outros estilos, como por exemplo ritmos latinos. Violões Martin e Fender são meus preferidos; gosto de amplificador Fender valvulado e prefiro o drive e o reverb do próprio amplificador a pedais, mas não deixo de usar alguns timbres modernos, se vejo que combina com meu som não tenho nenhum problema em aceitar as novas tecnologias de softwares e plug-ins.

GC : Feeling Alright é o primeiro disco da Hot Spot Blues Band, e vocês temperaram com blues e R&B com uma roupagem muito particular. Há um trabalho autoral da Hot Spot Blues Band ou a proposta é trazer os velhos clássicos ?
GA : O álbum foi justamente para mostrar como a banda toca o blues clássico, escolhemos as melhores musicas dos shows e gravamos com nossa pegada peculiar. Já o próximo álbum terá apenas canções de minha autoria e, além do blues, esse será um álbum ainda mais experimental.

GC : "Feeling Alright" colocou a Hot Spot Blues Band na lista dos melhores lançamentos ao redor do mundo pela revista canadense Real Blues Magazine. Imagino o orgulho de vocês com o primeiro disco em foco no cenário internacional. Como veem o cenário blues em geral e no Brasil em particular?
GA : Feeling Alright teve uma repercussão ótima no cenário do blues e nos deixou muito orgulhosos. Por ter sido lançado pelo maior selo de blues do Brasil, ajudou muito na visibilidade tanto dentro como fora do país. O blues é um estilo que vai estar sempre presente porque, além de ter um publico muito fiel, é um estilo que agrada facilmente a quem o conhece pela primeira vez. Penso que o blues só tende a crescer no Brasil e ao redor do mundo pela rica cultura que o envolve.

GC :  Eu sei que são muitos discos que já rodaram na sua vitrola, mas, de bate pronto, cinco discos para todo mundo correr atras e ouvir.
GA : BB King: "Deuces Wild"; Howlin’ Wolf: "Howlin’ Wolf"; Buddy Guy: "Bring Em In"; Muddy Waters: "I'm Ready"; Bill Sims: 'Bill Sims".

Você encontra o álbum Feeling Alright para venda nas lojas Submarino e Americanas.